<$BlogRSDUrl$>

terça-feira, agosto 05, 2003

ZX Spectrum 48K
Descobri que um dos objectos mais marcantes da minha infância é agora peça de museu. Em vez de ficar deprimido por ser assim confrontado com a inexorabilidade do Tempo, enchi-me de orgulho a olhar para aquilo. Se andasse por ali algum cibercatraio nascido depois da separação dos Pixies, tinha-lhe mostrado:

- vês, puto: no meu tempo é que era! regular o volume do gravador com precisão cirúrgica, load aspas aspas, duuuuu ti.....duuuuuuu ieiiiiieiiiiieiiiiiiiiiiii, e mais de meia-hora a rezar para que o Génio Malévolo da Sinclair não mandasse um Tape Loading Error no último instante, meia dúzia de linhas antes de o gráfico ter acabado de carregar. nada destas paneleirices modernas de playstations e o caraças! não, o Spectrum forjava o carácter, se querias diversão tinhas de sofrer primeiro.

De seguida explicar-lhe-ia prolixa e exaustivamente porque é que de todas as teclas manhosas de borracha cinzenta, a "P" era sempre a primeira a ir à vida.

Porque é que todos os velhos confundem a perda da juventude com a degradação do Universo? Não é a comida que não sabe a nada, as papilas gustativas e o olfacto é que são menos sensíveis. Não é o barulho dos vizinhos que aumentou, o sono é que se tornou mais frágil. Não são as festas modernas que não têm interesse, os amigos é que foram morrendo, o engate é que se tornou improvável. Não é a música que é um chinfrim insuportável, os cérebros é que calcinaram.
Chegando a velho pretendo cumprir o meu papel e reclamar de tudo o que for novidade, só para chatear, mas vou saber que não tenho razão.


Notas:
1. o meu trauma de infância é nunca ter conseguido acabar o "Skool Daze"; agora tenho uma segunda oportunidade
2. Todos os homens da minha geração que ainda tremem de terror quando é proferida a palavra "Reinaldo", vão achar piada a esta página


This page is powered by Blogger. Isn't yours?