<$BlogRSDUrl$>

segunda-feira, outubro 06, 2003

Nuit Blanche 

estudos comprovam que a chuva em Paris, ainda que romântica, molha à mesma
Um milhão de pessoas que enfrentam as intempéries para ver arte contemporânea pela noite dentro.

Mega-party na piscina de Saint-Germain - Porreiro - O último a ir à água todo vestido caga de elástico! (...) Olha lá, porque é que toda a gente traz mochila? (...) Oh chefe, mas quem lhe disse que eu quero nadar, olhe lá bem pra mim e diga-me se tenho cara de desportista! onde é que é o bar? (...) Estes baguetes já faziam um estágio com o Abade pra ver se aprendem a fazer festas na piscina! nem álcool, nem moelas, nem concurso miss t-shirt molhada. Retirada. Já. (...) Achas que vai chover? (...) Por enquanto borramos nestas coisas com bicha, lá prás 3 está tudo às moscas. (...) Vamos aos Halles, disseram-me que montaram por lá umas tascas. (...) Aguenta um bocadinho que isto já passa. (...) A coisa bem feita era assim: noite branca -> só bebidas brancas, uma coisa temática. O Louvre com patrocínio da Gordon's, Absolut a jorrar das fontes da Concorde (...) Não achas que está a chover menos? - Não (...) Já te contei a história do Nostradamus e da Catarina de Médicis na coluna da Bolsa do Comércio? (...) Que é das tascas, não vejo nada! - Está um monte de gente a entrar em St-Eustache, deve ser lá. - Uhh, dentro da igreja, kinky! (...) Ao menos aqui dentro está seco (...) Aquilo é um irlandês? (...) Oh chefe, duas pints de Guinness e dois shots de tequilla enquanto a espuma assenta (...) Em certas culturas, ter as calças encharcadas coladas às pernas é considerado um fortalecedor do espírito. - Sim sim, e também acham que o chazinho de cogumelos põe o xamã em contacto directo com os deuses. (...) Um sprint de 50 metros e bebemos outra jola no próximo tasco. (...) Olha lá se me fazes andar estes quilómetros debaixo de chuva pra ver o raio do gigante no Teatro da Paneleiragem Lírica e aquilo não vale um chavelho, contrato os ciganos pra te aviar e passas os próximos cinquenta anos a comer por uma palhinha - Se não prestar pago-te um copo - OK, é justo (...) Bom, concordamos que me estás a dever um copo, certo? (...) Um táxi, um táxi! - Aquela brasserie acho que ainda serve - Então bebemos só mais uma (...) Já estão a piscar as luzes - Bem te disse que devíamos ter pedido logo três para cada um (...) Não está frio, não está frio, não está frio, é tudo na tua cabeça, tudo na cabeça, molhado é bom, é bom, como se estivesses na praia, tudo na cabeça, tudo na cabeça (...) Bolinhas de sabão, que lindo (...) Há croissants à pala às 6 e meia. Borlas. Em Paris. Hei-de comer a porra dos croissants nem que tenha de morrer já amanhã de pneumonia.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?